segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Finalização do Projeto "Valorizando as Diferenças"

Projeto "Valorizando as Diferenças"


Olá!!

Como finalização do Projeto "Valorizando as Diferenças"; preparamos com muito carinho uma exposição em forma de mural apresentando resumidamente todos os trabalhos que ocorreram durante este ano de 2017 relacionados do projeto.
O mural encontra-se exposto desde a Festa Cultural que ocorreu no dia 27/10.


No início do mês de novembro as professoras de Educação Especial - Lívia e Rosimeire realizaram a apresentação do Projeto "Valorizando as Diferenças" no VI Simpósio de Educação Especial e Inclusiva.



E ainda no mês de novembro, as crianças foram convidadas a confeccionar o "Boneco cabeça de alpiste" e a realizar o plantio. 
Esta proposta teve como objetivo simbolizar para as crianças que todo o trabalho realizado no decorrer deste ano letivo assemelham-se à sementinhas que foram plantadas...






Assim deixamos a todos a seguinte mensagem...



Desta forma, encerramos nosso projeto neste ano de 2017, mas 2018 promete novas vivências!!!
Até breve!!

Professoras de Educação Especial
Lívia Dal Bello - SRM
Rosimeire Padilha Rocha - U.E

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Turma da Joaninha e Minas Gerais

Oi pessoal!
A Turma da Joaninha conheceu um pouco de Minas Gerais nos últimos dias. Como foi dito na postagem anterior, a partir de pesquisa para conhecer a origem das crianças e famílias, descobrimos que muitas famílias vieram desse Estado. Produzimos um vídeo para ser apresentado em nosso Encontro Cultural e agora socializamos com todos vocês!


                                                                      


                                                                    Turma a Joaninha e Profª Gleice

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Encontro Cultural - 2017

Olá!
Tivemos em nossa unidade o Encontro Cultural, dia 27/10. O tema desse ano foi "migração, imigração e xenofobia".
Segundo o dicionário Aurélio online, a palavra xenofobia significa: 

"Aversão aos estrangeiros ou ao que vem do estrangeiro, ao que é estranho ou menos comum."

Partindo de uma pesquisa com a origem das crianças e famílias, descobrimos que muitas famílias vieram de outros Estados do Brasil. Desta forma, elegemos as quatro regiões mais citadas nos questionários, para trabalharmos com as crianças ao longo do mês e também preparamos oficinas e ambientes direcionados à cultura desses locais. 
**Trabalhos realizados pelas turmas**

Em primeiro lugar, com maior incidência de famílias vindas dessa região, está o Estado do Paraná. Em segundo lugar ficou a Bahia e empatados em terceiro lugar ficaram os Estados de Pernambuco e Minas Gerais.
Tivemos duas apresentações musicais, uma delas foi a apresentação do grupo de pífanos "Flautins Matuá", que nos brindou com uma apresentação com viola caipira e pífano, colocando todo mundo para dançar! 
Também tivemos a apresentação das professoras e equipe gestora da unidade, com uma vivência de dança de pau de fita.


Cada sala representou um Estado, a sala 01: Bahia, contou com uma explicação sobre o Rio São Francisco e uma oficina para construir personagens com bonecos de prendedores de roupas.


Sala 02: Pernambuco, com Oficina de Samba de Coco, com a mestra Emília, do Coco do Encantado (da Paraíba), onde as famílias e crianças puderam conhecer um pouco mais sobre a história do samba de coco, os instrumentos utilizados, vivenciar o ritmo, cantar e até construir uma música, de autoria do grupo! (Essa vivência foi realizada com as duas turmas que participaram da oficina no período da tarde)



Sala 03: Minas Gerais. Com a colaboração especial da família de uma das crianças da unidade, tivemos uma exposição de objetos muito comuns em áreas rurais, tais como moedor de café, de carne, roda de carroça, entre outros materiais. Também tivemos um espaço de jogos (quebra-cabeça e jogo da memória) com algumas cidades do Estado de Minas, feito pelas professoras.



Sala 04: Paraná. As professoras organizaram uma oficina de artesanato com pinhas, fruto do pinheiro, árvore símbolo do Estado do Paraná. As famílias e crianças também puderam conhecer um pouco mais sobre o café, em razão da cidade de Londrina (PR) ter sido a maior cidade produtora de café do Brasil.


No pátio tivemos uma oficina de Isogravura, retomando a ideia da literatura de cordel e da xilogravura, com a presença da Andrea, que conduziu a oficina e ensinou crianças e famílias um pouco mais sobre essa arte.


Depois de tantas atividades interessantes, não podíamos nos esquecer do lanche! Partindo também da ideia de resgatar alimentos típicos ou bem conhecidos de cada uma das regiões, crianças e famílias tiveram a oportunidade de degustar tutu de feijão (MG), suco de caju e cocada (Nordeste) e uva (Sul).

Gostaríamos de deixar nosso agradecimento a todas as pessoas que se envolveram e fizeram esse evento mais um dia tão marcante para nosso CEI. Em especial à Andrea, mestra Emília, Fernando Tocha e João Arruda, que aceitaram o convite de estarem conosco nesse evento, e a todas as crianças e famílias que participaram, brincaram, dançaram e se divertiram!

Até o próximo evento!

Equipe do CEI João Vialta

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

AG IIIF - TURMA DA COBRA

              Essa tem sido  um excelente recurso didático para a professora e as crianças trabalharem a aquisição de novos vocabulários, linguagem oral e escrita; uma vez que aguça a curiosidade das crianças e estas ficam bem envolvidas no momento da atividade.
              Como  funciona?
             A professora esconde um objeto dentro da caixa e depois entrega a mesma as crianças em roda, a caixa passa por todas as crianças que colocam a mão dentro da caixa e com o tato e a imaginação tentam descobrir qual o nome do objeto. Ahhhh! Não pode falar o que tem lá dentro. É  segredo!
             Assim todas as crianças tem a oportunidade de tentarem descobrir e imaginar o quem tem dentro da caixa; logo em seguida fazemos uma discussão sobre as  muitas possibilidades. Geralmente as crianças acertam, pois sempre o objeto escolhido é algo conhecido, pertinente ao mundo infantil; entretanto a imaginação os leva  muito longe, a combinações inusitadas como “dinossauro astronauta”, “peixes voadores” e muito mais...
                 Após a revelação do objeto, vem a escrita do mesmo em pequenos pedaços de papeis, onde as crianças que se interessarem copiam a palavra em questão.
            Desta forma, as crianças tem mais uma oportunidade de contato com a escrita, além das que matem todos os dias, e dessa primeira palavra nasce o interesse pelas outras e outras, assim vamos construindo o nosso letramento e aproximando cada vez mais as crianças do mundo  que é escrito e lido.
                No momento da discussão com a turma, do que está dentro da caixa, as crianças ficam soltas, muito envolvidas e alegres com a atividade, momento em que o professor deve utilizar para estimular bem a linguagem oral dos pequenos.
               O bom é que um objeto tão simples pode proporcionar vários momentos agradáveis, de grande produção para os alunos e professores, servindo de instrumento para o aprendizado de todos.
                A Turma da cobra segue preparando mais atividades legais.
                                            
                  Até breve!!!


TURMA DA COBRA  

professora Eunice